Publicado em: ter, mar , 2017

Primeiro caça “invisível” da China entra em serviço


A rede de televisão estatal da China (CCTV) informou na última sexta-feira (10) que o primeiro caça “invisível” do país, o jato furtivo Chengdu J-20, entrou em serviço militar com a “Força Aérea do Exército de Liberação Popular”, como é chamada a força aérea chinesa. A nova aeronave, projetada para não ser detectada por radares, é produzida pela AVIC (Aviation Industry Corporation of China), grupo aeronáutico administrado pelo governo chinês.

Sem especificar quantas unidades entraram em operação, a reportagem da mídia chinesa relatou apenas que o J-20 se juntou aos treinamentos conjuntos com tropas, forças de foguetes e a marinha da China. Para analistas militares, o anúncio pode ser interpretado como uma resposta do país ao Japão e Coreia do Sul, que estão iniciando seus trabalhos com o novo caça Lockheed Martin F-35, aeronave que também possui características furtivas.

Como é comum na indústria aeronáutica militar chinesa, são poucas as informações sobre o desempenho do J-20, considerado um caça da chamada “quinta geração” – o F-5 da FAB, por exemplo, é um caça de segunda geração. Além de ter perfil furtivo (stealth), sabe-se que o novo avião chinês pode alcançar mach 2 (duas vezes a velocidade do som, cerca de 2.400 km/h), é muito manobrável e pode lançar mísseis de longo alcance.

O J-20 foi apresentado ao público, ainda que a distância, somente em novembro de 2016, durante o Zhuhai Internacional Air Show. Já o primeiro voo do caça, cujo desenvolvimento foi iniciado na década de 1990, aconteceu no dia 11 de janeiro de 2011.

Desde o início do projeto, a AVIC produziu oito protótipos para testes em solo e de voo e pelo menos cinco unidades de série da aeronave, chamada pela imprensa chinesa de “obra prima” da indústria aeronáutica do país. De acordo com o raros dados divulgados pelo fabricante, o caça tem 20,4 metros de comprimento e pode decolar pesando cerca de 32.000 kg.

Aviões invisíveis

Os Estados Unidos foi o país pioneiro a dominar a tecnologia para construir aviões invisíveis aos radares, com o F-117 “Nighthawk”, projetado pela Lockheed Martin na década de 1970 e hoje já aposentado. Atualmente, o inventário de aeronaves furtivas das forças armadas norte-americanas contém os caças F-22 Raptor e F-35 Lightning II, além do bombardeiro em formato de asa voadora B-2 Spirit.

Com o anúncio da estreia do J-20, a China passa a ser o segundo país a declarar operacional um caça furtivo. Além desse modelo, a AVIC também trabalha no desenvolvimento do FC-31, outro avião de combate invisível, desta vez com características semelhantes às do F-35 – o J-20 é proposto como um concorrente para o F-22.

Outra nação que está próximo de participar deste seleto grupo é a Rússia, com o caça Sukhoi PAK-FA. A aeronave, que voou pela primeira vez em 2009, está programada para entrar em serviço com a força aérea russa a partir de 2018.