Publicado em: ter, jun , 2014

Hillary diz que família saiu pobre da Casa Branca

Hillary Clinton
A família de Hillary Clinton estava em situação financeira precária e sobrecarregada de custos judiciais quando ela e o marido deixaram a Casa Branca, declarou a antiga primeira dama em uma entrevista nesta segunda-feira (9).

Os republicanos imediatamente aproveitaram o comentário para dizer que ele demonstrava que Hillary, a mais forte candidata à indicação presidencial democrata em 2016, estava fora de contato com a realidade.

“Saímos da Casa Branca não só com pouco dinheiro mas endividados”, disse Clinton à rede de TV ABC.

“Não tínhamos dinheiro quando chegamos, e tivemos dificuldade para juntar o necessário para coisas como, sei lá, moradia, a educação de Chelsea. Não foi fácil, sabe?”

Desde que deixou a Casa Branca, o ex-presidente Bill Clinton faturou uma fortuna com suas palestras, e Hillary Clinton representou Nova York no Senado.

A declaração de patrimônio que Clinton fez ao Senado em 2000 mostra ativos de entre US$ 781 mil e US$ 1,8 milhão. O formulário utilizado permite que os senadores declarem seus bens em faixas elásticas. Mas o mesmo formulário demonstra que os Clinton deviam entre US$ 2,3 milhões e US$ 10,6 milhões a quatro escritórios de advocacia. O formulário permite, igualmente, que os senadores reportem suas dívidas em faixas bastante elásticas.

Os Clinton terminaram de pagar suas dívidas para com os advogados em 2004, de acordo com declarações patrimoniais ao Senado. E em 2009, quando Hillary estava se preparando para participar do governo de Barack Obama como secretária de Estado, o patrimônio do casal ficava entre os US$ 10 milhões e os US$ 50 milhões.

Os republicanos não demoraram a sair ao ataque. “Hillary Clinton está completamente fora de contato com a realidade, se acha que estar quebrada significa mansões e cachês imensos por palestras”, comentou no Twitter o presidente do Comitê Nacional Republicano, Reince Priebus. Os democratas fizeram ataque semelhante contra Mitt Romney, o rico candidato do Partido Republicano à presidência, em 2012.

Folha de S. Paulo