Publicado em: seg, abr , 2017

Como o nome de Marconi na Lava Jato pode interferir no governo Zilomar


Citado na lista negra da Operação Lava Jato, estando entre outras centenas de nomes da política nacional, o governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB), um dos três governadores citados na lista do ministro Fachin pode comprometer as bases do partido em Goiás, inclusive em Jaraguá, com o prefeito Zilomar Oliveira.

Sob a acusação de ter recebido dinheiro de caixa 2 na campanha eleitoral, Marconi Perillo (PSDB), Iris Resende (PMDB) e Maguito Villela (PMDB) são os nomes que fazem parte da lista, no total de seis políticos e Goiás.

Marconi Perillo deverá ser investigado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Marconi disse que não irá se pronunciar, até porque não há nenhum inquérito aberto, e que irá esclarecer qualquer fato assim que conhecer as circunstâncias das alegações.

Segundo delatores da Odebrecht, em reportagem vinculada no canal Globo, Perillo recebeu R$ 8 milhões em caixa dois para as suas campanhas ao Governo do Estado de 2010 e 2014. O objetivo da empresa era receber de Perillo, em caso de vitória, o favorecimento do grupo “na área de saneamento básico”.

Se confirmado a denúncia e caso Marconi venha ser condenado em uma das investigações da Lava Jato, o que pode demorar anos até que o caso seja concluso, ainda assim a campanha de 2018 para o governo de Goiás pode interferir nas bases do PSDB nos municípios, repercutindo de forma negativa na campanha.

Na pior das hipóteses, e caso o PSDB perca as eleições em Goiás, a situação do prefeito Zilomar Oliveira e todos os demais prefeitos da base de Marconi Perillo se complicam. Seria uma morte súbita a derrota do PSDB em Goiás, morte que a operação Lava Jato pode causar.

Se no primeiro ano de governo Zilomar Oliveira poderá apenas arrumar a casa, ficando o segundo ano para obras de maior vulto, os dois últimos anos fora da base do governo estadual seria um fim desastroso para Zilomar e do deputado Nédio Leite.

Tudo depende também das coligações que vão disputar o governo de Goiás. Ou seja, ainda que a citação de Perillo na lista de investigados cause um estrago na campanha, os prefeitos podem apoiar uma base que o PSDB esteja coligado, o que garantirá certa estabilidade para os últimos dois anos de governo dos prefeitos.