Publicado em: qua, jun , 2014

Comando da PM nega que houve negligência no policiamento

Lusdenes Alecar
“A Polícia Militar de Jaraguá merece um troféu”, disse o comandante da Polícia Militar de Jaraguá, Lusdenes Alencar, ao responder alegação do promotor de Justiça Everaldo Sebastião, quando disse que o TAC (Termo de Ajuste de Conduta) firmado com os organizadores sobre a segurança nas Cavalhadas e Festado Divino Espírito Santo, foi em parte descumprido.

Se for para não haver carroças, fogos e outros movimentos na festa da Cavalhada em Jaraguá, que os poderes —  como o MP, Prefeitura e Justiça proíba de vez a festividade, incluindo o Carnaval, já que é impossível controlar um público de 20 mil pessoas com 20 policiais, disse o capitão Lusdenes Alencar.

Ainda segundo o comandante, os policiais estão de parabéns pelo serviço prestado, já que os agentes estão todos os dias nas ruas, tanto no serviço de rotina quanto no remunerado. “Discordo do promotor Everaldo quando disse que faltou policiamento”, pontuou o comandante.

Concorrendo a promoção dentro da PM, o capitão disse que em determinados momentos sua reputação de oficial fica prejudicada por pessoas que não contribui com o bem estar da sociedade, acumulando denúncias que mais atrapalha do que ajuda, concluiu.

Everaldo SebastiãoO promotor de Justiça Everaldo Sebastião, alegou que já tem em seu poder mais de 300 fotos, onde mostra pessoas descumprindo o que foi tratado e acordado no TAC entre as instituições de segurança e os organizadores das Cavalhadas, ou seja, fotos, onde mostra mais de 5 pessoas em carroça, animais nos canteiros públicos, além de evidenciar a queima de fogos sem licença do órgão competente, ou que foi proibido no Termo de Ajuste de Conduta com os organizadores.

Segundo Everaldo Sebastião (MP), todos os órgãos que firmaram o acordo serão notificados quanto às infrações, como também, as pessoas flagradas desobedecendo às normas amplamente divulgadas, antes das festividades.

Com informações da Rádio Sucesso FM
Lenival Santos